Em destaque

Brave New Virus

O wonder!/ How many goodly creatures are there here!/ How beauteous mankind is! O brave new world / That has such people in’t! (William Shakespeare, The Tempest)

Corona Virus Covid19 Ilustração de stock - Getty Images

OUR SOCIETY MISTRUSTS intellectuals, even though at times such as these it closes the eyes and from the less discerning of them commands beauteous evangelical messages. Prophecies that the mainstream press, acting as the system’s attentive sentinel schedules to make the public opinion trust that “when all of this is over, the world won’t be the same” [1]. And what world that will be the literati are ready-and-willing to tell. A whole different one in which we’ll know how to handle “irresponsible politicians” who made us lose confidence in science, authorities and the media [2]. The keyword to make the difference shall be ‘solidarity’, for “if we choose disunity, this will not only prolong the crisis, but will probably result in even worse catastrophes”. If otherwise “we choose global solidarity it will be a victory not only against the coronavirus, but against all future epidemics and crises that might assail humankind in the 21st century”. And how are we going to do that? In normal times confidence gone astray can’t be restored, but in times of crisis we can “suddenly discover a hidden reservoir of trust and amity, and rush to help one another”.

Stratagems are by and large at the bottom of prophetic solutions. In this particular case the trick is to ‘naturalize’ the outbreak as something intimate demanding harsh measures – such as changing lenses to see things differently. To our prophets it means to revive “people’s trust in science, in public authorities and in the media”, whose intercession during “the greatest crisis of our generation” will certainly be more in tune and solidary with our misfortunes. Provided of course “irresponsible politicians” are kept under control mediators shall “empower citizens” and enable everyone “to make more informed personal choices and hold government accountable for its decisions”. The final decision will remain ours, so the coronavirus crisis can be the “tipping point” – considering that “when people are given a choice between privacy and health, they will usually choose health“. But again, what about politicians, the incorrigible “egomaniacs” that should take all the blame for our lack of confidence in go-betweens? At this moment precisely the prophets’ arguments collapse.

Science, the most neutral ‘demiurge’, source of probity and veracity, is in a critical state for a very long time, not because of politicians but of bad practices. Namely (I) poor reproducibility – not long ago, one hundred experiments described in three well-established journals of psychology were replicated and the “replication effects were half the magnitude of original effects” [3]; (II) abusive dependence on metrics, targets and indicators, which instead of supporting qualified assessment oppress consciences, distort behaviours and corrupt careers; (III) peer review, still the best form of academic governance although not infrequently haunted by complaints and scandal. All of this was exposed in a classical book (Scientific Knowledge and its Social Problems, 1970) by an American sociologist, who with Thomas Kuhn and Paul Feyerabend envisaged the problems of science not in its epistemological foundations, but in practical flaws. Half a century later, the same Jerome Ravetz denounces the “corrupting pressures” of an “industrialized science”, whose “perverse incentives” of the absorption of research work by a ‘gig economy’ in which scientists are subjected to short-term jobs on contracts without any rights of security, and to the favours of principal investigators. Which is why, he adds, ‘quality’ became instrumentalised, ‘excellence’ impractical, and ‘impact’ is now the name of the game. Predicaments aggravated by science-based technologies of warfare, financial manipulation and environmental predation, which increase the “possibilities of a civilisational catastrophe” but at least show that “the king is naked” [4]. Not if it depends on literati diverting attention from the causes and the real agents of bad practices.

In administration, public and private, there is also an evil jinni, corruption, “inherent in the mining, oil and gas, construction and engineering industries, all of which are at high risk and subject to investigation worldwide” [5]. So it is not so much the country or government as the sector, whose companies must be held responsible. The same goes for multilateral organisations – the World Bank, for example, which in 2011 proudly announced that the International Finance Corporation, its arm in the private sector, had opened a $50 million credit line for Norberto Odebrecht, a giant Brazilian construction company. Funds immediately transformed in shares of 250 million, as guarantee for contracts for public works projects. All dully documented but soon deleted from the bank’s database: $30 billion “public-private partnerships” in Brazil, Peru, Colombia and Mexico, joining Odebrecht and four more contractors that received a few billions from a state development bank for operations in Africa and Latin America. To this, ‘contractual renegotiations’, a notorious breeding ground for corruption immediately followed. Whellings-and-dealings that, in the words of Christopher Sabatini, of Colombia University, were “known to everyone” – meaning that “Odebrecht was handling corruption” with the World Bank’s approval. But IFC and the Bank had nothing to fear; they were not at risk “because corruption investigations do not reach other countries involved, and Bank representatives are shielded from lawsuits in client countries” [6].

The last, actually the one and only ‘mediator’ of the brave new world are the media, whose “satanic role” (in Bauman’s words) is “to revolutionize the mechanisms of perception of the world” and manipulate them. A consciousness-manufacturing industry, it pervades all social sectors assuming functions of guidance and control – not exactly thanks to the worth of the information it conveys, but to the ‘content’ (seeing by McLuhan as the “piece of meat” the thief brings to distract the dog while he loots the house). An industry in a deep crisis, again not because of politicians but of structural factors related to a drastic drop in sales of the printed media, and to market saturation, that have forced mainstream journalism to compete with much less formal and professional modalities. So they move heaven and earth to keep clienteles and market shares by exploiting sensationalism, concocting news unceasingly, discovering ‘enemies’ in politics and anticipating their punishment. They have been in crisis throughout history, since the times the Catholic Church – the great producer and disseminator of news the medieval world – began to lose its monopoly of the pulpits. A dependence on structural factors (technology, market and organization) not on politicians, made the Church lose its status of supreme authority as ‘source’ which ‘everyone’, rich and miserable, listened with reverence thanks to well-elaborated messages, convincing, undifferentiated and spread in an irreversible way, virtually impossible to respond.

Early social soothsayers were ‘prophets of doom’ who announced Jehovah’s punishments to the people – specifically to unworthy leaders (‘politicians’ of yore). Our ‘futurologists’ are more attracted to Buddhist ‘renouncers’ bringing news of ‘the good life’. Laicized, but always hostile to the language of democracy, their slippery metaphysics overflow the strictly religious context and invade the realm of personal intimacy, whose subtleties can be understood only through the unlimited resources of literature. Immersed in the perfect storm unleashed after the First World War, Aldous Huxley (Brave New World) did just that ninety years ago. He chose stability as the “primal and ultimate need” of our civilization struggling to survive the multiple crises of a failed social, economic and political model, now miserably taken by surprise by a submicroscopic infectious agent. Crises aggravated by overpopulation and the means of control employed to subdue it – among which Huxley highlighted drugs and subliminal suggestion. He firmly demanded resistance to defend democracy from authoritarianism, once again at our gateways.

“The perfect dictatorship would have the appearance of a democracy, but would basically be a prison without walls in which the prisoners would not even dream of escaping. It would essentially be a system of slavery where, through consumption and entertainment, the slaves would love their servitudes. “ (attributed to Aldous Huxley)

[1] Francesca Melandri. https://www.theguardian.com/world/2020/mar/27/a-letter-to-the-uk-from-italy-this-is-what-we-know-about-your-future; [2] Yuval Harari. https://www.ft.com/content/19d90308-6858-11ea-a3c9-1fe6fedcca75; [3] https://osf.io/ezcuj/wiki/home; [4] Jerome Ravetz. https://www.theguardian.com/science/political-science/2016/jun/08/how-should-we-treat-sciences-growing-pains; [5] Andreas Pohlmann. Folha de S. Paulo, Sept. 22, 2015; [6] Roberto Bissio. Leveraging corruption – How World Bank funds ended up destabilizing young democracies in Latin America, http://www.socialwatch.org.

Pedro Scuro is senior researcher at the Talcott Group (São Paulo, Buenos Aires, Luanda and Rome), director of the International Society of Criminology (Paris) and the author of General and Legal Sociology, whose eighth edition (The Era of Captive Law) is published by Saraiva, Sao Paulo.



Em destaque

Sociologia, ciência impertinente

Resultado de imagem para pinocchio

O Estado é a mais poderosa das estruturas corretivas, e através dele o Direito. No passado era a ele que se perguntava “O que fazer ?”, ao passo que hoje, desiludidos com a democracia e sabendo dos erros e limitações das burocracias, perguntamos: “Quem vai fazer ?”. O que está tornando este o século da sociologia, e através dela o Direito.

O finado presidente Jânio Quadros certa vez me disse que proibira as mulheres de usar biquíni nas praias porque um grupo de senhoras lhe havia pedido. Antes dele, um depressivo Getúlio Vargas proibiu as mulheres de jogar futebol somente porque um tal José Fuzeira lhe escrevera uma carta. Esse autor de livros de “boa conduta moral e cívica” afirmava que o futebol feminino não podia continuar florescendo no país. “Neste crescendo”, dizia, “dentro de um ano é provável que no Brasil haja uns 200 clubes de futebol feminino – ou seja, 200 núcleos destroçadores de 2.200 futuras mães”. Não deu outra: Getúlio pôs um artigo no Decreto-Lei n.º 3.199 determinando que “às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza”. A sociologia teve e continua tendo experiências parecidas às do futebol feminino.

Os próprios sociólogos também são responsáveis por esse estado de coisas. Sua mente é focada em uma ciência abstrata que usa dados e dígitos para resolver problemas que transformam a vida e dão um sentido maior à experiência humana. À diferença dos outros cientistas, porém, sociólogos são cientistas apenas no estrito convívio com outros seres humanos. Com eles aprendem e se sentem obrigados “a serem iguais a todo mundo”. Vínculos que fazem o sociólogo considerar sempre o impacto mais amplo das ações, e os fenômenos na sua variedade. Vínculos que, por outro lado, muitas vezes o fazem aceitar uma imagem de ‘político’ ou de ‘sacerdote’, de militante de uma ciência ‘virtuosa’, uma espécie de Grilo Falante portador de espírito crítico e excelência moral.

Nesse sentido arriscado, mas “edificante” o sociólogo se expõe a ilusões e a pensar que as pessoas, os grupos, as sociedades têm ‘natureza’ passível de ser alterada para melhor. Corre, portanto o risco de querer impor a si e aos outros conceitos e imagens de pessoas, grupos e sociedades não como de fato são, mas como deveriam ser. Uma pretensão messiânica, um ‘retorno à essência’ reafirmado através da ênfase na ‘obrigatoriedade’ de ações corretivas, dependentes de estruturas gigantescas que nos oprimem e à sociedade.

O Estado é a mais poderosa dessas estruturas, e através dele o Direito. No passado era ao Estado que se perguntava “O que fazer”, ao passo que hoje, desiludidos com a democracia e fartos de saber dos erros e limitações das burocracias, perguntamos: “Quem vai fazer ?”. O que está tornando este o século da sociologia, e através dela o Direito.

A sociologia que em sua versãoclássica’, carregada de grandes teorias, amplos objetivos e aspirações ardentes, investigava por detrás das fachadas e desmascarava os interesses da retórica dissimuladora que usava o Estado e o Direito como instrumentos. Postura que à sociologia granjeou a fama de ofício subversivo, marcado por um espírito revelador. Ciência impertiente, que preconiza exame atilado do ‘habitual’, do senso comum que não raro promove “desordem sangrenta, confusão organizada, arbitrariedade consciente, humanidade desumanizada” (Bertold Brecht). Não admira que os regimes autoritários tenham tanta aversão à sociologia.

Em 1891, a Reforma Benjamim Constant (cujo moto era “liberdade e laicidade do ensino”) instituiu sociologia no ensino médio. A partir de 1925, outra reforma, Rocha Vaz (“o currículo prepara a vida”) tornou-a obrigatória e a exigiu nos vestibulares para ingresso no ensino superior. Na ditadura Vargas, no entanto, as reformas liberais foram canceladas e conservadora Reforma Capanema (“moral e cívica”) retirou a obrigatoriedade da sociologia. Em seu lugar instituiu, para os meninos, Educação Militar, e para as moças do Curso Normal, uma “matéria feminina”: sociologia geral e da educação.

Em 1961 ela voltou, mas somente como disciplina optativa, e menos de dez anos mais tarde um triunvirato de ministros militares, conhecidos como “Os Três Patetas”, decretou o fim da sociologia, um “criadouro de comunistas”. Todos os “resquícios dela nas escolas médias” deveriam ser suprimidos, e em seu lugar passaram a vigorar matérias compulsórias para “todos os graus e modalidades” de ensino, aptas a preparar para o “exercício de atividades cívicas com fundamento na moral, no patriotismo”, etc. (Decreto-lei nº 869 de 12/7/1969).

Hoje em dia, um século depois das reformas republicanas, a aversão dos regimes à sociologia ainda não foi contida. Alguns, como o do presidente Fernando Henrique Cardoso a excluíram do ensino fundamental (veto ao projeto PCL 09/2000) com a desculpa que não havia docentes qualificados para lecionar o seu conteúdo. Razão pela qual qualquer um com “notório saber” pode executar a tarefa.

Mais recentemente, atualizando a Reforma Passarinho (“profissionalizante”) e a visão dos ‘Três Patetas’, o governo diz que sociologia “não gera renda”, não oferece “bem-estar às famílias” nem “melhora a sociedade”. E não apenas o governo; no currículo das faculdades de Direito a sociologia a custo sobrevive como “algo inconclusivo”, “a ser feito”, cuja “visão mais crítica” pouco teria a ver com a prática jurídica. Nesse contexto, alguns atrevidos Zé Fuzeiras ‘de esquerda’ chegam a perceber que a sociologia “domestica os bacharéis”, e de forma sub-reptícia “legitima a violência e a injustiça social”.

Da mesma forma que o debate público, a reintegração da sociologia ao ensino fundamental e ao superior segue sendo problemática por conta de uma dominação ‘por convite’, com vantagens para os ‘donos da bola’ mas também para os dominados. Dominação que nos mantém motivados, porém ‘na linha’, dando continuidade e operacionalidade a sistemas que diante de problemas complexos invariavelmente procuram respostas no passado. Caso da armadilha que seduz os adolescentes e ao mesmo tempo os desconecta (muitas vezes tragicamente) do meio sociocultural mais amplo, do fluxo de pensamento criativo e das legítimas aspirações da sociedade. Conforme mostra um sociólogo, Orlando Patterson, professor da mais conhecida universidade norte-americana.

Uma de minhas alunas visitou a escola onde completou o ensino médio e constatou que, enquanto a maioria de suas ex-colegas fizera faculdade, quase todos os rapazes afro-americanos sequer terminaram o curso. Tinham pleno conhecimento das consequências desse fracasso, mas não se importavam. Achavam que só os “trouxas” não tinham ficado na rua no horário das aulas, não se concentrando, como eles, em consumir, em garotas e festas, em drogas e cultura hip-hop. Para eles o que importava era os grandes atletas e astros do show business serem negros. Orgulhavam-se da sua subcultura ser motivo de respeito até mesmo por parte dos adolescentes brancos. O que lhes aumentava a autoestima e dava uma autoimagem completamente independente do desempenho escolar. Subcultura na verdade uma ‘armadilha dionisíaca’, promovida e explorada pela grande indústria da moda, da música e do esporte profissional, mas que ao mesmo tempo separa e isola os jovens (sobretudo negros) da cultura corrente. Jovens que não sabem quando devem deixar o hip-hop e começar a se preparar para a faculdade.

A sociologia já foi “a soberana das ciências”, pois incorporava o básico de todas as demais, mas ainda segue em frente. Ciência do progresso e da ordem (e desordem) social, ela e o Direito são brotos da mesma planta: a sociedade moderna, fundada no consenso da lei, que malgrado as conotações ideológicas amplia gradualmente os seus limites, dilui-se politicamente e se organiza (frequentemente de maneira caótica) em bases jurídicas.

Pedro Scuro Neto é autor de Sociologia Geral e Jurídica, cuja oitava edição (A Era do Direito Cativo) é publicada pela Saraiva Educação: São Paulo, 2019.

Lula e o redomoinho

“Os nossos são tempos de uma epidemia de cegos conduzidos por lunáticos”. Rei Lear, Ato IV, Cena 1

Sonhar com Redemoinho | Veja o Verdadeiro Significado - SONHAR

Na esteira da crise do sistema financeiro internacional (2007-2008) o então presidente do Brasil afirmava ao primeiro ministro britânico que o problema era o “comportamento irracional de banqueiros brancos de olhos azuis, que antes pareciam saber tudo sobre economia, mas agora demonstram que não sabem nada” (O Globo, 29/3/2009). Reprimenda dirigida à opinião pública europeia que se queixava dos imigrantes, que na verdade, segundo Lula, foram “as primeiras vítimas” da globalização que não lhes dera a sua parcela de desenvolvimento econômico e social.

Comentários considerados “bizarros” pelo Daily Mirror, que, para o Independent e o Daily Telegraph, causaram “constrangimento” na mídia que não tolerava seu primeiro ministro do Partido Trabalhista, e que desde então passou a encarar também o brasileiro desaforado com profundo ressentimento. Em boa parte por conta da postura dialética deste diante das crises do mundo moderno.

“Esta aqui”, por exemplo, disse ele, “dentre tantos benefícios propiciou a eleição de um homem negro [Barack Obama, primeiro afro-americano a ocupar o cargo de presidente dos Estados Unidos, de 2009 a 2017], algo nada insignificante. E ajudou também a eleger um metalúrgico [ele mesmo], um indígena na Bolívia [Evo Morales], Hugo Chavez na Venezuela e um bispo [Fernando Lugo] no Paraguai” (Conor Foley, ‘Good looking’ Lula’s revenge, The Guardian, 11/4/2009). Duas semanas antes, nesse mesmo jornal ele escrevia que “nenhum país tinha como o Brasil tanto interesse em reverter o impacto do aquecimento global com soluções que garantam nosso futuro comum, sem prejudicar a subsistência de milhões de pessoas empobrecidas que tiram o seu sustento da terra” (Luiz Inácio Lula da Silva, Green aims in the Amazon, The Guardian, 28/3/2009).

Por outro lado e justamente por conta do mal-estar de quem se acha ameaçado por “países desenvolvidos e países em desenvolvimento terem responsabilidades comuns, mas diferenciadas”, a atitude conservadora passou a ser de sistemático assédio a governos democraticamente eleitos. Notadamente – nas palavras de um ilustre consultor de segurança nacional – governos de nações “suscetíveis à influência financeira e política de China, Rússia e outras potências regionais, como Brasil e Turquia – ainda que nenhuma delas possa reunir os quesitos de poder econômico, financeiro, tecnológico e militar necessários para herdar o protagonismo dos Estados Unidos” (Zbigniew Brzezinski, After America, Foreign Policy, 3/1/2012).

As consequências todos nós conhecemos. A começar com espetáculos de protestos de rua contra aumento de contas de luz (Bulgária), por 20 centavos a menos nas passagens de ônibus (Brasil), contra a construção de shopping center em um parque público (Turquia), contra taxar a Internet (Hungria), contra um projeto de anistia geral (Tailândia), contra grampo de telefones (Macedônia), por desobediência civil no pagamento de impostos (Moldávia), contra restrições à cobertura de mídia nas sessões do parlamento (Polônia), contra a recusa do governo de aceitar um empréstimo de 610 milhões de euros da União Europeia quando a Rússia oferecia 15 bilhões e gás mais barato (Ucrânia). Dessa tragicomédia o segundo ato foi a “luta contra a corrupção”, cujas nefastas implicações o mundo ainda sofre.

“Antes de todo esse assédio o mundo fora agitado com o fim da lua-de-mel das organizações multilaterais, Banco Mundial, FMI, etc., com ‘as forças do mercado’. Isso por conta das centenas de bilhões, provavelmente trilhões, de dólares de dinheiro público despejados para resgatar bancos e grandes corporações das consequências do livre-mercadismo” (Pedro Scuro, Luta anticorrupção: arca dos insensatos, Revista Sociologia Jurídica, 2018, nº 22-23).

Hoje em dia, ainda vítima de assédio, o combativo metalúrgico destaca o lado benfazejo da pandemia, um “monstro que está permitindo aos cegos enxergar que somente o Estado é capaz de dar solução a determinadas crises”. Como as causadas ao longo da nossa história por uma “elite canalha, predatória, que não permite alternância de poder”. Quase dois anos de estudo na prisão fizeram-no entender que fora “o primeiro do andar de baixo a sair na fotografia do poder”, e que só não foi “enforcado, esquartejado e salgado”, como tantos mártires da luta contra o colonialismo de sempre, porque se tornou “vítima de algo mais sofisticado, um fabricado processo de corrupção” (Lula e Mino Carta, entrevista ao vivo, http://www.youtube.com, 19/5/2020).

A reação da elite e seus fâmulos não se fez esperar. Na expectativa de mais um golpe militar e fazendo-se de tolos diante da extraordinária trajetória de Lula, comemoraram a fala como uma “escorregada” e reflexo da “diminuição da sua influência no cenário político”. Algo que acalentam como um sonho possível desde o início da tragicomédia.  

Na verdade, mais que um simples mito, ou seja, estória, indivíduo ou coisa fictícia, Lula é uma lenda que desde o passado as pessoas contam umas às outras e aceitam como verdade histórica. Nesse sentido, sua saga lembra homens e mulheres notáveis, do nosso e de outros povos, afligidos, porém libertos quando entenderam os motivos do seu sofrimento. Personagens cujo paradigma bíblico é Jó, homem reto, perseguido pelo “adversário” (ou “promotor”, ha-satan, em hebreu), vítima de injustiça a quem Deus “livra da sua aflição, e na opressão se revela aos seus ouvidos” (Livro de Jó, 36:15). A todos “Deus fala de dentro de um redemoinho” e mostra que o mal não é punição, mas fonte de conhecimento e disciplina moral.

Na literatura como na vida o redemoinho se manifesta constantemente. Por volta do ano 2.000 AC, no Egito antigo, serviu à sabedoria divina no diálogo de um homem comum com a sua própria alma acerca de situação desesperadora causada por anomia e quebra das condições morais da sociedade. Shakespeare escreveu que do ponto de vista dos deuses “somos como moscas para moleques maldosos: matam-nos por esporte” (Rei Lear, IV). Deus, por sua vez, parece preferir nos mostrar o quão ignorantes/ fracos/ despreparados somos diante dos poderes da natureza indomada e seus monstros (Livro de Jó, cap. 40 e 41), leviatãs do tipo elite, militares e políticos entreguistas, coronavírus. Aqui, o próprio Velho Testamento desmente (ou posterga) a conclusão de outro de seus livros: que a humanidade seria o ponto mais alto da criação, com poder de superar a tudo, seres ou eventos (Gênesis, 1:28). Diante disso, otimistas como Jó, Lula e eu continuamos a ter fé e paciência.

POR QUEM OS SINOS DOBRAM

A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas em pé, multidão e atividades ao ar livre
A U.S. Marine carries a blindfolded woman suspected of Vietcong activities. She and other prisoners were rounded up during the joint Vietnamese-U.S. Operation Mallard, near Da Nang, Vietnam.

Durante anos, acreditando piamente nos relatórios otimistas de seus generais, os presidentes dos Estados Unidos promoveram sem reclamar uma gigantesca intervenção armada no Vietnã e em toda a Indochina.

Em 1967, o presidente Lyndon Johnson finalmente resolveu fazer uma pergunta boba: os comandantes militares americanos tinham algum plano ou alguma estratégia para vencer a guerra? A resposta foi um constrangido não, o fim da guerra simplesmente não estava no horizonte dos comandantes militares, acostumados a mandar cada vez mais soldados para a frente de batalha, e a autorizar somas vultosas em contratos de fornecimentos de armas e equipamentos.

Mais de 14 milhões de toneladas de bombas foram lançadas sobre a população vietnamita, 3 vezes mais que na Europa durante a Segunda Guerra Mundial.

Em momentos algum aqueles generais consideraram as consequências de sua insensatez, como o imenso endividamento público (hoje próximo aos 3 trilhões de dólares) e o crescente desprestígio do país no exterior.

Decepcionado com os militares, Johnson se pôs a buscar uma forma de sair da guerra com alguma dignidade. Ordenou à Força Aérea que deixasse de bombardear, mas a saúde a precária o impediu de continuar sendo presidente.

Seu sucessor, Richard Nixon, o Dick Vigarista. levou mais quatro anos, muitos bilhões de dólares, outros 20 mil cadáveres de soldados americanos, centenas de milhares de vietnamitas trucidados, e a mais vergonhosa derrota sofrida por uma potência militar em toda a história, para aprender a lição e reconhecer que a responsabilidade de resolver o problema era sua.

Os Estados Unidos jamais pagaram um centavo de indenização e ainda por cima decretaram um embargo comercial contra o heróico povo vietnamita, cuja única sustentação sempre foi a gloriosa União Soviética.

E hoje, por quem dobram os sinos? No Brasil, se perguntássemos aos políticos, aos juízes, aos comandantes militares e policiais, se alguma vez pensaram uma estratégia para vencer a violência e a criminalidade, ouviríamos com certeza um não como resposta.

CRIMINOSO, ARQUITETO DE UMA GUERRA ESTÚPIDA

A imagem pode conter: 1 pessoa
File:Robert McNamara 1-1.jpg - Wikimedia Commons

Robert McNamara, um executivo de sucesso e secretario da Defesa, no ano de 1967 mandou todas as equipes envolvidas no esforço de guerra no Vietnã – militares, oficiais de inteligência, médicos, estrategistas políticos – juntarem toda a documentação existente nos arquivos do governo sobre a guerra.
Por ordem do secretário, a cordilheira de dados foi depositada num megacomputador, ultramoderno para a época, que ocupava todo o bunker existente num dos subsolos do prédio do Pentágono. A pergunta que McNamara pedia à máquina era a seguinte:
“Considerando todas essas informações, em que ano os Estados Unidos devem vencer a Guerra do Vietnã?”.
O mastodonte eletrônico passou três dias ruminando milhões de informações, dados militares, comunicações secretas, mapas, relatos de centenas de batalhas e perfis das tropas e dos comandantes dos dois lados. A resposta do computador saiu no quarto dia, resumida em uma frase:
“A partir dos dados fornecidos, os Estados Unidos venceram a guerra do Vietnã em 1965, dois anos atrás.”

Vietnam War Fast Facts - CNN

O MAL TEM CARA, NOME, CARTEIRA DE IDENTIDADE E ENDEREÇO

O Mal não é uma abstração, mas algo bem concreto. Tem cara, nome, RG e endereço. Suas vítimas devem ser respeitadas e ter a oportunidade de relatar, numa corte de justiça, o que passaram. E devem fazê-lo na presença dos algozes e das famílias destes. Mesmo que esses homicidas, torturadores, sequestradores tenham sido anistiados.

A imagem pode conter: 1 pessoa
Who is to Blame for Evil? Part 1 | Goodness Of God Ministries

O Direito também é responsável, na medida em que pretere e manipula as vítimas – conforme afirma Sérgio Moro, ícone da magistratura brasileira: é melhor “não ser vítima de um crime, pois se for o problema é seu”.

No domingo, dentre todas as patifarias cometidas no Congresso Nacional, a maior sem nenhuma dúvida foi a do energúmeno que votou em “homenagem” de um assassino em série, responsável por 47 sequestros e homicídios, cujas vítimas incluem:

Ernesto Carlos Dias do Nascimento. Tinha dois anos e três meses quando foi considerado terrorista, “elemento menor subversivo” banido do país por decreto presidencial. Preso em 18 de maio de 1970, em São Paulo, com sua mãe, Jovelina Tonello do Nascimento. O pai, Manoel Dias do Nascimento, militante da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), organização comandada por Carlos Lamarca, havia sido preso horas antes.

“Levaram-me diversas vezes às sessões de tortura para ver meu pai preso no pau de arara. Para o fazerem falar, simulavam me torturar, com uma corda, na sala ao lado, separados apenas por um biombo”.

O menino de dois anos dizia: “Não pode bater no papai. Não pode”.

E batiam.

Libertado quase um mês depois, passou os primeiros anos com pavor de policiais de farda e grupos com mais de quatro pessoas. Entrava em pânico, escondia-se debaixo da cama ou dentro do armário, mordia quem se aproximava e urinava nas calças.

Ernesto foi uma criança com pesadelos recorrentes. O mais comum era com um asno, uma corda e uma agulha.

“O asno usava um boné militar, a agulha tinha olhos arregalados e uma risada aguda sarcástica e corria atrás de mim, eu apavorado tentava fugir. O asno me cercava, me dava coices ou chutava coisas sobre mim. A corda parecia boazinha, disfarçada de linha se estendia até mim, mas quando eu a segurava ela machucava minhas mãos e me deixava cair em um abismo.”

João Carlos Schmidt de Almeida Grabois. Estava na barriga da mãe, Crimeia, quando esta levou choques elétricos, foi espancada em diversas partes do corpo e agredida a socos no rosto. Enquanto ela era assim brutalizada, os agentes da repressão ameaçavam sequestrar seu bebê tão logo nascesse. Quando os carcereiros pegavam as chaves para abrir a porta da cela e levar Crimeia à sala de tortura, o bebê começou a soluçar dentro da barriga. Joca nasceu na prisão e, anos depois, já crescido, quando ouvia o barulho de chaves, voltava a soluçar. A marca da ditadura nele é um soluço.

Perto da hora do parto, em vez de levarem Crimeia para a enfermaria, a colocaram numa cela cheia de baratas. Como o líquido amniótico escorria pelas pernas, elas a atacavam em bandos. Isso durou quase um dia inteiro. Só no fim da tarde, com outros presos gritando junto com ela, a levaram para o hospital. O obstetra disse que, como não estava de plantão, só faria a cesariana no dia seguinte. Crimeia alertou que seu filho poderia morrer. O médico respondeu: “É melhor! Um comunista a menos”. O pai de Joca foi assassinado pelo regime militar meses depois de o menino nascer. A primeira vez que ele viu o rosto do pai foi aos 18 anos, numa foto nos arquivos do DOPS (Departamento de Ordem Política e Social) de São Paulo.

Carlos Alexandre Azevedo. Não suportou a lembrança. Talvez porque ele nunca pôde transformá-la em memória. Era nele algo vivo e sem palavras, um silêncio que não conseguia se dizer. E um silêncio que não consegue se dizer é um pavor. Ele tinha um ano e oito meses quando sua casa foi invadida por policiais do DOPS/SP, em janeiro de 1974. Como começou a chorar, os policiais deram-lhe um soco na boca que de imediato sangrou. Passou mais de 15 horas em poder da repressão, nas mãos de funcionários do Estado, enquanto lá fora gente demais vivia suas vidas fingindo que nada acontecia. Seus pais ouviram relatos de que nesse período o menino, pouco mais que um bebê, teria levado choques elétricos. Cacá se matou aos 40 anos, em 2013. Seu pai diria: “Ele ficou apavorado. E esse pavor tomou conta dele. Entendo que a morte dele foi o limite da angústia”.

Ângela Telma de Oliveira Lucena. Tinha três anos e meio quando executaram o pai diante dela. Ângela diz:

“Eu lembro como ele estava vestido. Eu lembro exatamente como tudo se desenrolou naquele dia. Eu estava no colo da minha mãe, e quando fui crescendo, durante muitos anos ficava pensando se tinha sonhado aquilo ou se era realmente um fato que tinha ocorrido. Eu vivia um conflito entre apagar, riscar aquilo da minha vida, mas, ao mesmo tempo, sabia que, se fizesse isso, estaria riscando a história da minha família. (…) As pessoas sempre colocam em dúvida se eu realmente consigo lembrar da morte do meu pai. (…) Eu gostaria muito de poder apagar esse momento do assassinato do meu pai da minha vida. Mas eu não posso, eu não quero e eu não consigo. Porque a única memória que tenho do meu pai é exatamente o momento da sua morte”.

Paulo Fonteles Filho, cujo parto da mãe foi uma tortura iniciada por policiais, completada pelo médico. Aos cinco meses de gestação, Hecilda era espancada com socos e pontapés, aos gritos de: “Filho dessa raça não deve nascer”. Era mantida acordada a noite inteira com uma luz forte no rosto, no que se chamava de “tortura dos refletores”. Depois, sentada numa cadeira, os fios subiam pelas pernas e eram amarrados nos seios, causando calor, frio, asfixia. Mais tarde, foi colocada numa cela cheia de baratas. Ela já não conseguia ficar nem em pé nem sentada. Como não tinha colchão, deitou-se no chão.

As baratas começaram a roê-la. Ela só conseguiu tirar o sutiã e tapar a boca e os ouvidos. Levaram-na então para o Hospital da Guarnição do Exército, em Brasília. Ela lembra da irritação extrema do médico, que induziu o parto e fez o corte sem anestesia. Hecilda não chorou. Ela conta no livro Luta, Substantivo Feminino: Mulheres Torturadas, desaparecidas e mortas na resistência à ditadura, publicado pela Secretaria Especial dos Direitos Humanos: “Depois disso ficavam dizendo que eu era fria, sem emoção, sem sentimentos. Todos queriam ver quem era a ‘fera’ que estava ali”. Assim é contado o nascimento de Paulo, assim é como ele começa a se contar. Nascido entre feras – nenhuma delas a sua mãe. Nascido entre humanos, os mais brutais entre as feras.

O genocídio do Caldeirão

O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto foi um movimento popular que surgiu nas terras do Crato, Ceará. A comunidade era liderada pelo beato José Lourenço e foi alojada numa fazenda pelo Padre Cícero. No Caldeirão, os romeiros e imigrantes trabalhavam todos em favor da comunidade e recebiam uma cota da produção. Cada família tinha sua casa e órfãos eram afilhados do beato. A comunidade era pautada no trabalho, igualdade e fé. O excedente era vendido e, com o lucro, investia-se em remédios e querosene.
Em 1937, sem a proteção de Padre Cícero, que falecera em 1934, a fazenda foi invadida e destruída por grandes latifundiários e pelo bravo Exército de Caxias, que acusavam a comunidade de “comunismo”.

IDERVAL TENÓRIO: O Caldeirão de Santa Cruz do Deserto, no ...

Os sertanejos sobreviventes dividiram-se, ressurgindo novamente pela mata em uma nova comunidade, que em 11 de maio foi invadida novamente, dessa vez por terra e bombardeada pela FAB, quando aconteceu um grande massacre, com o número oficial de 400 mortos (outras estimativas, entanto, chegam a mais de 1000). Os familiares e descendentes dos mortos nunca souberam onde encontram-se os corpos, pois o Exército Brasileiro e a Polícia Militar do Ceará nunca informaram o local da vala comum na qual os seguidores do Beato foram enterrados. Presume-se que a vala coletiva encontra-se no Caldeirão ou na Mata dos Cavalos, na Serra do Cruzeiro (região do Cariri).
José Lourenço fugiu para Pernambuco, onde morreu aos 74 anos, de peste bubônica, tendo sido levado por uma multidão para Juazeiro, onde foi enterrado no cemitério do Socorro.

A ONG SOS Direitos Humanos entrou com uma ação civil pública no ano de 2008 na Justiça Federal do Ceará, contra o Governo Federal do Brasil e Governo do Estado do Ceará, requerendo que o Exército Brasileiro:
a) torne público o local da vala comum,
b) realize a exumação dos corpos,
c) identifique as vítimas via exames de DNA,
d) enterre os restos mortais de forma digna,
e) indenize no valor de R$ 500 mil, todos os familiares das vítimas e os remanescentes,
f) inclua na história oficial, à título pedagógico, a história do massacre / chacina / genocídio do Sítio da Santa Cruz do Deserto, ou Sítio Caldeirão.
A pedido do Ministério Público Federal da cidade de Juazeiro do Norte, a ação foi extinta sem julgamento de mérito pelo juiz da 16ª Vara Federal de Juazeiro do Norte.

Fortaleza em Fotos e Fatos: O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto

Nos campos de concentração alemães

Os prisioneiros usavam distintivos, cosidos nas roupas — um número de série e um triângulo colorido no lado esquerdo do peito e na perna direita das calças. Em Auschwitz [o maior de todos, onde foram exterminadas milhões de pessoas], o número de série era também tatuado no antebraço esquerdo. Triângulo vermelho para os presos políticos e verde, com um S sobreposto, para os criminosos. Roxo para as Testemunhas de Jeová, cor-de-rosa para os homossexuais, preto para ciganos, mendigos e desocupados (ou marrom, dependendo se estivesse em curso alguma campanha do governo nazista de erradicação dos “elementos itinerantes”).

Os judeus tinham de usar, além de outras marcas distintivas, dois triângulos amarelos sobrepostos formando a estrela de David. Todos os racialmente impuros, judeus ou não, que tivessem cometido infração contra o Código Racial, ostentavam um círculo negro ao redor ou superposto a um triângulo verde ou amarelo. Quando o prisioneiro era estrangeiro, no triângulo havia uma letra: F para os franceses, R para os russos etc. Presos políticos especiais, detidos logo quando a guerra começou, porque os nazistas não tinham certeza de sua lealdade, tinham um número de série impresso sobre o triângulo. Outros, presos no decorrer da guerra, tinham um K (Kriegsverbrecher, criminoso de guerra) impresso no triângulo. Esses presos ficavam isolados em colônias penais, mesmo quando seus crimes não eram graves. Para essas colônias eram também enviados os que estivessem confinados muito tempo nos campos. No final, poucos sobreviveram.

Havia também os condenados a serem “disciplinados pelo trabalho” — tinham um A (Arbeit, trabalho) branco impresso nos seus triângulos negros. Na roupa de alguns, havia cír-culos vermelhos e brancos costurados ou pintados, no peito e nas costas, sempre que a admi-nistração do campo desconfiava que estivessem planejando uma fuga. Os retardados tinham uma faixa no braço direito e, pendurada no pescoço, uma plaquinha com a inscrição “Sou um imbecil”. Vagavam a esmo pelos campos, para que divertissem os nazistas e servissem de vítima de brincadeiras estúpidas. Os subversivos, opositores ao regime, freqüentemente também usa-vam essas mesmas marcas distintivas. Quase todos foram mortos.

Corrupção compensa

“Cada um trazia duas maletas, uma em cada braço. No total, seis maletas. (…) Mandei abrir. Começou uma briga, mas olhei e vi que era só dólar, dólar, dólar. Todas elas cheias de dólares. Amarradinhos do banco, aqueles pacotes de depósito bancário. Um milhão e 200 mil dólares.”

Resultado de imagem para General Kruel

Um dos corruptos, comandante do II Exército, o general Kruel, para trair Jango, presidente da República, recebeu, intermediado pelo governador Adhemar de Barros, 600 mil dólares de propina da FIESP.
Um milhão e 200, segundo testemunhas insuspeitas, mas os 600 mil “se perderam” no caminho até a sede do Comando na Conselheiro Crispiniano.
https://ultimosegundo.ig.com.br/…/fiesp-subornou-general-pa…

Seu lugar tenente depois se tornou presidente do Loide Brasileiro, e continuou a cobrar propina, até de militares, inclusive do meu pai (sou testemunha), que lutava por seu direito a promoção durante a Segunda Guerra (e o Exército não queria dar).
Esse corrupto – General Tito – foi diretor do Hospital Militar. Recebeu, na época, muitos resistentes torturados e feridos pela ditadura.


Kruel depois virou marechal e foi eleito deputado federal pelo MDB. Morreu dando risada de todo mundo, na cama, Seus herdeiros tiveram de indenizar uma pessoa mantida em condições de escravidão em uma sua fazenda de cacau em Linhares, Espírito Santo. O processo se arrastou por mais de cinquenta anos.

A última conversa telefônica de João Goulart com o general que o trairia

A cena está num dos melhores livros sobre a ditadura, “Brasil: de Castelo a Tancredo”, do brasilianista Thomas Skidmore.

Ela conta muito sobre o caráter do presidente João Goulart, o Jango, deposto pelos militares há 50 anos.

Era o dia 1.o de abril de 1964, e  Jango recebera a notícia no Palácio das Laranjeiras, no Rio de Janeiro, onde pernoitara, de uma sublevação militar.

Unidades do Exército marchavam contra ele para depô-lo. Tropas do Primeiro Exército, baseado no Rio, foram enviadas para deter os golpistas, mas acabaram se juntando a estes.

Mas havia uma saída.

Se o general Amaury Kruel, comandante do Segundo Exército, sediado em São Paulo, não aderisse à insurreição, ela simplesmente não prosperaria, dada a força paulista nas coisas nacionais.

Kruel não conspirara contra o governo, em parte por não gostar de um dos líderes do movimento, o general Castelo Branco, que acabaria sendo o primeiro presidente da ditadura.

Jango ligou para Kruel.

Este condicionou seu apoio a uma coisa: que Jango rompesse com a central sindical, a CGT, controlada pela esquerda e abominada pelos militares em seu anticomunismo feroz.

Se Jango dissesse sim, seu governo sobreviveria. Mas Jango disse não. “Então, senhor presidente, não há nada que possamos fazer”, respondeu Kruel.

Kruel pode não ter sido apenas desleal, mas desonesto.

Um coronel reformado do Exército afirmou recentemente, numa sessão da Comissão da Verdade de São Paulo, que Kruel foi subornado pela Fiesp para aderir ao golpe.

Esta afirmação não está no livro de Skidmore, e nem poderia estar, porque é recente.

O coronel disse ter visto três homens colocarem maletas cheias de dólares no carro de Kruel, depois de um encontro no dia 31 de março entre ele e o presidente da Fiesp, Raphael Noschese. O preço pago por Kruel, segundo o coronel, foi 1,2 milhão em dinheiro da época, algumas dezenas de milhões em valores de hoje.

Com ou sem as malas de dólares, o fato é que Jango preferiu cair com honra a trair os sindicalistas que lhe eram tão caros.

Era, então, ao contrário do que os detratores apregoaram por tantos anos, um presidente altamente popular.

Uma pesquisa Ibope do começo de 1964 mostrava que ele estava na frente entre os eleitores para as eleições presidenciais marcadas para 1965.

Terminada a conversa telefônica com Kruel, Jango logo sairia do governo e do país.

Sem apoio militar, e sem desejar mergulhar o Brasil numa guerra civil, foi embora para o Uruguai, refúgio tradicional de líderes políticos sul-americanos.

Em circunstâncias parecidas, sem mentor, Getúlio Vargas, dera uma década antes um tiro no coração para, como escreveu em sua carta testamento, deixar a vida e entrar na história.

Jango optou por entrar na história sem deixar a vida – mas apenas a presidência. Tinha filho pequeno para criar, e uma bela mulher para cuidar de suas feridas.

Morreria doze anos depois, em circunstâncias obscuras, na Argentina. A razão oficial foi um ataque cardíaco, mas amigos e familiares sustentam que ele foi envenenado.

A máquina de propaganda da ditadura moldou a imagem de um presidente impopular, indeciso, inepto.

Mas o tempo começa a mostrar um outro Jango, um presidente disposto a fazer reformas essenciais ao desenvolvimento social do país, e com uma agenda de mudanças ainda hoje atual.

Mas, acima de tudo, emerge o homem honrado que preferiu deixar o poder a trair seus aliados, como queria o general Kruel.

Habermas é Bolsonaro?

A imagem pode conter: 1 pessoa, close-up
Jürgen Habermas

Teóricos de esquerda não raro pecam por liberalismo.
Habermas é um deles, que tenta salvar a substância da democracia pra valer, “radical” segundo ele diz, dizendo que a opinião pública não governa mas aponta onde o governo deve ir. “Não dirige”, ele diz, mas “contradirige” a complexidade institucional (1996, capítulo VIII).

Na democracia de Habermas os cidadãos exercitam sua influência através de mecanismos institucionais “particulares” e canais de comunicação. Dia 15 veremos …

MILITARIZAÇÃO: O SANGUE SOBRE NÓS

“As polícias se detestam”, dizem os especialistas em segurança pública, razão pela qual nenhuma jamais cumpre a sua missão direito. Os próprios policiais duvidam da capacidade de seus colegas: “30% são bons, 40% não entendem nada de polícia, e 30% não querem trabalhar”, calculava no passado em São Paulo um ex-secretário. Hoje, nessa mesma linha, muitos – servidores públicos principalmente – insistem com choques de gestão, mais e mais recursos, formação e valorização das carreiras. O Poder Público apoia, aumentando a cada ano os investimentos em segurança: 61 bilhões em 2012, 16% a mais que no ano anterior; em 2016 serão quase 40 apenas para os Jogos Olímpicos.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Enquanto isso, os especialistas não se entendem. Como a maioria das organizações internacionais, admitem que o fundamental é desmilitarizar e unificar as polícias em uma só nova corporação. Ao mesmo tempo alegam que desmilitarizar pode não ser a solução, que depende disso e daquilo, principalmente da vontade do Congresso, onde dormitam os projetos dos deputados Celso Russomano (PRB) e Chico Lopes (PCdoB), e dos senadores Blairo Maggi (PR) e Lindbergh Farias (PT).

Militarização, contudo, não é “doença brasileira”. Nos Estados Unidos, a desculpa para licitações bilionárias são as “guerras” às drogas e ao terror: de 2002 a 2011, foram repassados 35 bilhões de dólares pelo governo federal para que estados e municípios comprassem equipamento bélico pesado e montassem forças paramilitares. Ao mesmo tempo o Pentágono enviava às polícias kits de sobras de guerra, aumentando o número de missões paramilitares de polícia de 3 mil (1980) para 50 mil (hoje), acentuadamente em localidades com baixos índices de violência.

Em Keene (New Hampshire), de 1999 a 2012 ocorreram somente 3 homicídios, mas a polícia gastou quase 300 mil dólares em uma versão estadunidense do “Caveirão”, que na prática serve somente para patrulhar o “Festival da Abóbora” da cidade. Numa outra, Fargo (Dakota do Norte), ocorrem em média 2 homicídios por ano, suficiente para justificar a aquisição de um blindado com metralhadora giratória. Assim como no Brasil, na esmagadora maioria dos casos faz-se licitação não por necessidade, mas porque políticos e policiais querem “estar em dia”, odeiam “ficar para trás”.

Guerra, segundo meu pai, que esteve lá, é “um grande negócio”. Sem tirar nem por militarização das polícias é isso também, um jogo pérfido jogo de ganância, vaidade e indiferença cujo sangue das vítimas fatalmente cairá – disse Pilatos aos judeus – sobre nós e sobre nossos filhos (Mateus 27:25).