Gosto deles, quando sabem o seu lugar

Emmett Louis Till, o menino de 14 anos assassinado em 1955.

Emmett Till foi um menino norte-americano de 14 anos, filho único, queridinho da mãe. Certo dia foi visitar parentes em um povoado longe de casa. Garoto negro de cidade grande, boa pinta, quis impressionar os caipiras e fez uma graça para a dona de uma loja. A mulher era branca, ficou assustada e correu para pegar um revólver. Depois, carregando nas tintas contou ao marido.

O homem, um caipira preocupado com não passar vergonha na cidadezinha atrasada em que vivia, chamou um parente, capataz de fazenda acostumado a “ensinar aos negros o lugar deles”. Juntos, foram tirar satisfação na casa do tio de Emmett, onde o garoto estava hospedado. Sequestraram-no e o levaram a um celeiro, onde, com outros homens cujas identidades jamais foram reveladas, bateram nele com uma pistola 45 até que um de seus olhos pulasse para fora da órbita. Ainda vivo, amarraram-no a um peso com arame farpado e o atiraram em um rio.

Resultado de imagem para emmett till fotos

Presos por sequestro e assassinato os dois foram a julgamento. Negaram tudo e um júri composto só de brancos os absolveu por “falta de provas”. Tempos depois, um deles vendeu a verdadeira história a uma revista por 3.150 dólares, e foi logo dizendo: “o moleque da cidade grande pediu pra morrer quando disse, mesmo com o olho pra fora, que não tinha medo da gente, que era tão bom como qualquer um de nós, que já estivera com mulher branca, e que a sua avó também era branca”.

Preocupado, perguntou: “Que mais a gente poderia ter feito? Não sou bandido, nunca machuquei um negro, gosto deles, quando ficam no seu lugar. Sei como tratá-los, e enquanto eu viver eles não vão votar nem ir à escola com meus filhos. E se algum deles pensar em sexo com mulher branca é o mesmo que dizer que cansou de continuar vivo; eu mato”.

“Por isso eu disse”, continuou o consciencioso assassino, “‘moleque da cidade grande, não aguento mais ver gente como você vir aqui na minha terra e criar confusão. Vou fazer de você um exemplo tão grande que todo mundo vai saber o que eu e a minha gente achamos de tudo isso’”.

E a maioria da “minha gente”, não todos, gostou do que ele disse; e mesmo se não gostou concordou que não deveria dar aos “inimigos” a satisfação de condenar os assassinos.

Resultado de imagem para emmett till fotos

Emmett Till, no entanto não morreu em vão. No seu funeral, sua
mãe fez questão que o rosto destroçado do filho fosse visto em caixão aberto por mais de 50 mil pessoas. E antes mesmo que os infames assassinos morressem de câncer, aquele bárbaro homicídio serviu de estopim para a retomada do movimento de emancipação dos negros nos Estados Unidos.

No Brasil, por outro lado, mesmo hoje em dia estaríamos dizendo, com o próprio presidente da República, Messias Bolsonaro, que os assassinos de Emmett Till estavam apenas se recusando a aceitar “direitos de vagabundos”.

Pedro Scuro Neto  é autor de Sociologia Geral e Jurídica, cuja oitava edição (A Era do Direito Cativo) é publicada pela Saraiva Educação: São Paulo, 2019.

Publicado por peddyscuro

“I wish Pedro to retain, and deepen, and continue to savor his commendable thoughtful and illusion-free, while understanding and forgiving, even if hardly ever reconciled, stance towards our human condition!” Zygmunt Bauman, professor emeritus of the universities of Leeds and Warsaw.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: