MILITARIZAÇÃO: O SANGUE SOBRE NÓS

“As polícias se detestam”, dizem os especialistas em segurança pública, razão pela qual nenhuma jamais cumpre a sua missão direito. Os próprios policiais duvidam da capacidade de seus colegas: “30% são bons, 40% não entendem nada de polícia, e 30% não querem trabalhar”, calculava no passado em São Paulo um ex-secretário. Hoje, nessa mesma linha, muitos – servidores públicos principalmente – insistem com choques de gestão, mais e mais recursos, formação e valorização das carreiras. O Poder Público apoia, aumentando a cada ano os investimentos em segurança: 61 bilhões em 2012, 16% a mais que no ano anterior; em 2016 serão quase 40 apenas para os Jogos Olímpicos.

Nenhuma descrição de foto disponível.

Enquanto isso, os especialistas não se entendem. Como a maioria das organizações internacionais, admitem que o fundamental é desmilitarizar e unificar as polícias em uma só nova corporação. Ao mesmo tempo alegam que desmilitarizar pode não ser a solução, que depende disso e daquilo, principalmente da vontade do Congresso, onde dormitam os projetos dos deputados Celso Russomano (PRB) e Chico Lopes (PCdoB), e dos senadores Blairo Maggi (PR) e Lindbergh Farias (PT).

Militarização, contudo, não é “doença brasileira”. Nos Estados Unidos, a desculpa para licitações bilionárias são as “guerras” às drogas e ao terror: de 2002 a 2011, foram repassados 35 bilhões de dólares pelo governo federal para que estados e municípios comprassem equipamento bélico pesado e montassem forças paramilitares. Ao mesmo tempo o Pentágono enviava às polícias kits de sobras de guerra, aumentando o número de missões paramilitares de polícia de 3 mil (1980) para 50 mil (hoje), acentuadamente em localidades com baixos índices de violência.

Em Keene (New Hampshire), de 1999 a 2012 ocorreram somente 3 homicídios, mas a polícia gastou quase 300 mil dólares em uma versão estadunidense do “Caveirão”, que na prática serve somente para patrulhar o “Festival da Abóbora” da cidade. Numa outra, Fargo (Dakota do Norte), ocorrem em média 2 homicídios por ano, suficiente para justificar a aquisição de um blindado com metralhadora giratória. Assim como no Brasil, na esmagadora maioria dos casos faz-se licitação não por necessidade, mas porque políticos e policiais querem “estar em dia”, odeiam “ficar para trás”.

Guerra, segundo meu pai, que esteve lá, é “um grande negócio”. Sem tirar nem por militarização das polícias é isso também, um jogo pérfido jogo de ganância, vaidade e indiferença cujo sangue das vítimas fatalmente cairá – disse Pilatos aos judeus – sobre nós e sobre nossos filhos (Mateus 27:25).

Publicado por peddyscuro

“I wish Pedro to retain, and deepen, and continue to savor his commendable thoughtful and illusion-free, while understanding and forgiving, even if hardly ever reconciled, stance towards our human condition!” Zygmunt Bauman, professor emeritus of the universities of Leeds and Warsaw.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: