POR QUEM OS SINOS DOBRAM

A imagem pode conter: 9 pessoas, pessoas em pé, multidão e atividades ao ar livre
A U.S. Marine carries a blindfolded woman suspected of Vietcong activities. She and other prisoners were rounded up during the joint Vietnamese-U.S. Operation Mallard, near Da Nang, Vietnam.

Durante anos, acreditando piamente nos relatórios otimistas de seus generais, os presidentes dos Estados Unidos promoveram sem reclamar uma gigantesca intervenção armada no Vietnã e em toda a Indochina.

Em 1967, o presidente Lyndon Johnson finalmente resolveu fazer uma pergunta boba: os comandantes militares americanos tinham algum plano ou alguma estratégia para vencer a guerra? A resposta foi um constrangido não, o fim da guerra simplesmente não estava no horizonte dos comandantes militares, acostumados a mandar cada vez mais soldados para a frente de batalha, e a autorizar somas vultosas em contratos de fornecimentos de armas e equipamentos.

Mais de 14 milhões de toneladas de bombas foram lançadas sobre a população vietnamita, 3 vezes mais que na Europa durante a Segunda Guerra Mundial.

Em momentos algum aqueles generais consideraram as consequências de sua insensatez, como o imenso endividamento público (hoje próximo aos 3 trilhões de dólares) e o crescente desprestígio do país no exterior.

Decepcionado com os militares, Johnson se pôs a buscar uma forma de sair da guerra com alguma dignidade. Ordenou à Força Aérea que deixasse de bombardear, mas a saúde a precária o impediu de continuar sendo presidente.

Seu sucessor, Richard Nixon, o Dick Vigarista. levou mais quatro anos, muitos bilhões de dólares, outros 20 mil cadáveres de soldados americanos, centenas de milhares de vietnamitas trucidados, e a mais vergonhosa derrota sofrida por uma potência militar em toda a história, para aprender a lição e reconhecer que a responsabilidade de resolver o problema era sua.

Os Estados Unidos jamais pagaram um centavo de indenização e ainda por cima decretaram um embargo comercial contra o heróico povo vietnamita, cuja única sustentação sempre foi a gloriosa União Soviética.

E hoje, por quem dobram os sinos? No Brasil, se perguntássemos aos políticos, aos juízes, aos comandantes militares e policiais, se alguma vez pensaram uma estratégia para vencer a violência e a criminalidade, ouviríamos com certeza um não como resposta.

Publicado por peddyscuro

“I wish Pedro to retain, and deepen, and continue to savor his commendable thoughtful and illusion-free, while understanding and forgiving, even if hardly ever reconciled, stance towards our human condition!” Zygmunt Bauman, professor emeritus of the universities of Leeds and Warsaw.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: